domingo, 23 de abril de 2017

Linux - Soft links ou Links Simbólicos

  Podemos afirmar que o Softlink e um apontador, ele cria um arquivo a mais para apontar um diretório ou arquivo na forma de caminho relativo. A grosso modo podemos falar que um soft link é um caminho adicional para um arquivo ou diretório, comparado com Windows temos como exemplo os atalhos que criamos de uma determinada pasta favorita na nossa área de trabalho, ao acessar e editar um arquivo deste atalho estamos na verdade editando o arquivo original  e se excluir esse atalho não afeta os arquivos, porem se excluir o arquivo original inutilizo o atalho.

  Em uma distribuição linux os soft links podem ser identificados utilizando o comando "ln -l".


Características do soft link:

  • É possível fazer links em arquivos ou diretórios; 
  • Se o link for apagado/movido somente o link sera movido/apagado;
  • O arquivo pode estar em partições diferente do disco.

Para criar um link simbólico utilize a sintaxe "ln -s nome_do_arquivo caminho_do_link"
Ex: ln -s /etc/samba/smb.conf /home/sena/Área\ de\ trabalho/atalho

Neste exemplo criei um link simbólico do arquivo de configuração do samba na área de trabalho como nome de atalho, sempre que acessar o arquivo atalho e altera-lo estarei modificando na verdade o conteúdo do /etc/samba/smb.conf.

Para remover o link simbólico utilize a sintaxe "rm  caminho_do_arquivo".


  



quinta-feira, 20 de abril de 2017

Configuração de rede no Linux


   Atualmente a maioria das distribuições linux permiti a configuração da interface de rede por meio de utilitários gráficos, mas a configuração através do terminal contínua sendo mais rápida e vale para todas as distribuições.

   As configurações podem ser feitas de modo temporário é assim que reiniciar o computador as configurações serão desfeitas, ou configurado de forma permanente através da edição do arquivo interface. 


   Veremos abaixo como fazer alterações na interface nos dois modos.

  • Configuração Temporária

   Vamos começar conhecendo o comando ifconfig, que serve para verificar as configurações atuais de suas placas de rede.
 

   A mesma informação também pode ser obtidas com o comando ip address. Para configurar uma interface podemos utilizar a sintaxe:

  ifconfig interface parâmetro

  Os parâmetros de configuração são:

   up - habilita uma interface de rede;
   down - desabilita uma interface de rede;
   address - indica um endereço de IP para a interface;
   netmask - indica  uma mascara de sub-rede para interface;
   broadcast - indica o endereço da rede.

  OBS: os comandos de alteração das configurações da interface de rede deve ser feito com permissões de root portando acrescente "sudo".

 Ex: sudo ifconfig eth0 192.168.4.50 netmask 255.255.255.0 broadcast 192.168.4.0

 Esse comando atribuirá na interface eth0 o IP 192.168.4.50 na sub-rede 255.255.255.0 com endereço de rede 192.168.4.0.
  

   Verificando as alterações.

   ifconfig


   Para indicar o gateway padrão utilizamos o comando "route add default gw IP" e para verificar o gateway atual somente o comando "route". 


   Vamos atribuir o gateway 192.168.4.1
    route add default gw 192.168.4.1


   verificando as alterações 
   route 


  • Configuração Permanente 
   As configurações anterior tem o problema de não serem mais validas a apos o reinício do computador para deixar essas configurações fixa vamos acessar acessar o arquivo de configuração da placa de rede e edita-lo.

vim /etc/network/interfaces



#iface eth0 inet static

Informa que a interface eth0 esta sendo configurada como estático

#address 192.168.4.50

IP do computador foi definido como 192.168.4.50

#netmask 255.255.255.0

Mascara de rede foi definida como 255.255.255.0

#network 192.168.4.0
Identificação do endereço da rede

#broadcast 192.168.4.255

Identificação do endereço de braodcast

  Aplique as alterações conforme configuração da sua rede salve o arquivo e reinicie os serviços de rede com o comando  "/etc/init.d/networking restart".


  Verificando as configurações. 





terça-feira, 18 de abril de 2017

Como configurar Scanner de rede na impressora Brother MFC-8952DW

As impressoras Brother tem muitos recursos prático um deles e a digitalização pela rede, enviando o arquivo diretamente para o computador em uma pasta compartilhada.

Para configurar esse recurso é necessário acessar a impressora via browser digitando o endereço IP da impressora na barra de endereços.




A senha padrão deste modelo e:
Usuário: admin
Senha: access

Agora clique em scan 


Selecione a opção Scan to FTP/Network e mude o perfil de FTP para Network



Vá ate o final da pagina e clique em submit 


Apos finalizar estas alterações será possível efetuar a configuração do scanner de rede, clique em Scan to FTP/Network Profile e selecione o perfil que já foi configurado.



  Preencha os campos com as informações do computador que recebera os scanners 

Campo Profile Name - Nome do perfil do scanner que aparecera na impressora 
Host Andrress - IP do computador para onde será enviado o scanner 
Store Directory - Nome da pasta compartilhada 
File Name - Nome padrão para novo arquivo digitalizado 
Quality - Qualidade dos arquivos digitalizados
File Type - Tipo do arquivo JPG, PDF, XPS
Glass Scan Size - Tamanho da folha 


O campo username deve ser preenchido com mesmo usuário e senha do computador, agora e clique em submit e a configuração do scanner estará finalizada .

Não se esqueça de sincronizar a data e hora da impressora com o seu computador.



domingo, 16 de abril de 2017

Extensão para Chrome permite achar, participar e divulgar grupos do WhatsApp

Uma nova extensão do navegador Google Chrome permite que usuários participem e divulgue seus grupos pelo Whatsapp Web, através desta ferramenta é possível encontrar grupos de vários temas.
Essa ferramenta é ideal para pessoas que gosta de participar de debates e conhecer novos temas.
Para divulgar ou participar de algum grupo adicione a extensão ao seu navegador neste link Grupos para Whatsapp


Apos abrir o link clique sobre o botão adicionar ao Chrome


A extensão aparecera no canto esquerdo do seu navegador, ao clicar no ícone aparecera a tela conforme imagem acima, que permitira fazer uma busca por um grupo de sua preferência.



Para participar do grupo clique sobre entrar.


Se você quiser divulgar o seu grupo clique sobre a seta que aponta para baixo para abrira as opções de divulgação.



Para finalizar a inscrição inclua o nome do seu grupo, titulo, descrição e link do convite do grupo.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

terça-feira, 11 de abril de 2017

Linux- Trabalhando com entrada e saída de dados

  Por padrão a entrada de comando no Shell é o teclado denominado Standard Input ou STDIN, a sua saída o monitor denominado Standard Output ou STDOUT.

  Também temos a saída de erro, que são as mensagens indicativa de erro ou avisos  gerado por um programa  denominado Standard Error Output ou STDERR.

Exemplo:

  Utilizando o teclado que é o STDIN vou executar o comando date, na tela será exibido o resultado deste comando que é o STDOUT que mostrara o resultado


  Agora se digitar no terminal a palavra TUTORIAL, o bash não entenderá pois essa palavra não faz parte de nenhum comando, isso me dará um erro ou um STDERR que também tem a saída na tela.  



  É importante aprender sobre esta informações e entender o conceito de entrada, saída e erro pois a parti deles você pode trabalhar com direcionamento.

  Formas em que posso trabalhar os direcionamentos: 

>   Redireciona a saída
sobrescrevendo o conteúdo do
arquivo;

>>  Redireciona a saída ao
final do arquivo.

2>  Redireciona a saída de
erro sobrescrevendo ou criando
conteúdo;

2>> Redireciona a saída de
erro adicionando conteúdo ao
final.

&>  Redireciona toda a
saída sobrescrevendo

&>> Redireciona toda a
saída adicionando ao
final;

<  O arquivo é a entrado para o comando 

  Se eu quiser redirecionar a saída de um comando para um arquivo vou utilizar a seguinte sintaxe 

ls /etc > lista 


  Ao usar esse comando eu não terei o comando ls listado na tela e sim adicionado ao arquivo lista, se já existir um arquivo com esse nome o conteúdo dele será sobrescrito.

  Para trabalhar com  >> o utilizo a mesma sintaxe do comando anterior pois este adiciona o conteúdo que seria exibido na tela no final do arquivo especificado.

ls /var >> lista 


  Ao usar o comando ls com >> adicione a saída do comando ls no final do arquivo lista.


  Agora vamos aprender sobre o < que me permite trabalhar com arquivo alimentando o comando 

  Vamos usar com exemplo o comando tr que é um comando de substituição e vamos trocar as letras minúsculas para maiúsculas, vejamos.

tr "a-z" "A-z" < lista 


   Esse comando não altera o conteúdo de lista e sim a sua saída padrão sem alterar o arquivo original.

  Também vimos acima o direcionado 2 > que conforme a explicação  redireciona a saída padrão de erro para um arquivo. Quando eu executo um comando e eu já estou cinte que ele dará error posso redirecionar sua saída para um arquivo, isso facilitara a análise do erro  pois poderei visualizar somente o que deu de errado.

  Vou digitar o comando "cat erro" só que não tenho o arquivo erro então a saída do comando será um erro 



 Supondo que você esta executando um comando e ele esta dando mensagem de acerto e também de error você pode fazer o filtro enviado somente os erros para um determinado arquivo.

cat erro 2> erro.txt

Isso e muito importante quando você tem saída de comandos muito complexos, alem do 2> posso usar o 2>> se quiser adicionar a saída para o final de um arquivo existente.

  O comando &> adiciona toda a saída de um comando sobrescrevendo, esse comando adiciona a saída de erro e de acerto para um novo arquivo.

Exemplo:


  Pedi para abrir com comando cat o arquivo "/etc/host" e abrir "/etc/", porem somente "/etc/host" e um arquivo então uma das saídas foi um erro. O comando &> novo criou um arquivo com as saídas de erro e acerto.
  O "&>>" funciona da mesma maneira que o anterior mas conforme vimos nos comandos acima ele não sobrescreve e sim adiciona a saída no final do arquivo.


  


quarta-feira, 5 de abril de 2017

quinta-feira, 30 de março de 2017

sexta-feira, 17 de março de 2017

Editor Vim


 O editor de texto Vim (Vi Improved) e uma versão aperfeiçoada do vi, que foi lançado no ano de 1991 por ter uma interface simples e poderosa ele se tornou uma das melhores ferramentas para edição de texto para os entusiastas linux.

   O vim e usado por programadores e administradores de sistemas pois ambos te como tarefa a edição de texto constantemente, como a maioria dos serviços é configurado por meio de arquivos que geralmente estão localizados em /etc, e a maioria dos servidores só operam em modo texto, o vim se destacou como a melhor ferramenta por ser leve, ágil e estar disponível na maioria das distribuições linux, mesmo naquelas que vêm apenas em disquete. 

   Utilizando O Vim 


    O diferencial do vim é os seus modos de operação, o que acaba causando muita confusão por parte dos usuários iniciantes. No vim temos o modo de comando e modo de inserção.

   Quando abro um arquivo o modo que é iniciado por padrão é o de comando, nesse modo não e possível digitar texto pois as teclas estão configuradas para operações especiais, como movimentação do cursor, apagar linhas, salvar arquivos, copiar, colar, fazer busca por palavra chave e etc.    
      
    Para executar o vim utilize o comando 

    $ vim nome_do_arquivo

    Ao tentar abrir um arquivo que não existe o vim entende que você esta criando um novo arquivo
    
  Para entra no modo de edição você precisa pressionar a tecla "i" , na imagem abaixo podemos notar que é exibido um texto informativo indicando que você esta no modo de inserção, para retornar paro o modo de comandos pressione a tecla "ESC".

  
    Apos finalizar a edição para salvar um arquivo utilize um dos seguintes comandos:
   :w
    Para sair sem salvar utilize o seguinte comando:
   :q!
    Para sair e salvar
   :wq
   :x
    SHIFT+zz

   A "!" e utilizado sempre que necessário força a execução de um comando, como vimos no comando "q!" que força a saída sem salvar as alterações.
    
   Comandos de inserção de texto:

   i - insere texto antes da posição atual do cursor;
   a - insere o texto depois da posição atual do cursor;
   r - Substitui o texto na posição atual de onde se encontra o cursor;
  A - insere o texto no final da linha onde se encontra o cursor;
  o - Adiciona uma linha abaixo da linha onde se encontra o cursor;
  O - Adiciona uma linha acima da linha onde se encontra o cursor;
  ESC muda para o modo de comando. 

  Além do modo de comando e inserção também temos o modo substituição, onde você poderá navegar pelo texto utilizando as teclas direcionais  substituindo as letras desejadas.


  Para entra no modo de substituição pressione a tecla "INSERT" 2x
  Para sair pressione "ESC".

  Pesquisa E Comandos 


   E comum ter que trabalhar com arquivos de texto grandes, sem uma maneira de localizar palavras ou caracteres, será difícil trabalhar com texto por exemplo que tenha 5 mil linhas.
  
No vim para localizar determinada palavra pressione /nome_da_palavra

   Comandos para alteração do texto:

   D - Deleta a linha a partir da posição atual do cursor até o final;
   dd - Deleta a linha atual, e cópia o conteúdo para área de transferência;
   p - cola conteúdo da área de transferência;
   dw - Deleta a palavra, da posição atual do cursor até o final;
   x - Deleta o caractere que está sob o cursor;
  :A,Bd - Deleta da linha A até a linha B, copia para área de transferência;
  rx - Substitui o caractere sob o cursor pelo especificado em x;
  u - Desfaz a última modificação;
  U - Desfaz todas as modificações feitas na linha atual;
  J - Une a linha corrente a próxima;
  yy - Copia 1 linha para a área de transferência;
  yNy - Copia N linhas para a área de transferência;
  Np - Cola N vezes o conteúdo da área de transferência;
  cc - Apaga o conteúdo da linha, e cópia para área de transferência;
  cNc - Apaga o conteúdo de N linhas, e cópia para área de transferência (a partir da linha atual);
  :%s/string1/string2/g - Substitui "palavra_Atual" por "Palavra_Nova";
  ndd - Deleta o conteúdo de n linhas a partir da linha atual;
  nD - Deleta a linha a partir da posição atual do cursor até o fim de n linhas;
  v - entra no modo visual;
  :X - Insere criptografia no arquivo. 

OBS: para retirar a criptografia do arquivo utilize o comando set key e deixe a senha em branco 

   Abaixo alguns comandos que ajudam a melhorar a visualização dos textos ao utilizar o vim:

  Numera as linhas - set number;
  Rretirar numeração - set nonumber;
  Ignorar maiúscula e minúsculas em uma busca - set ic
  Adiciona cores as linhas  - syntax on
  
  Os comandos mencionados acima podem ser adicionado de forma definitiva dentro do arquivo vimrc, dessa forma todos arquivos viram com estas configurações por padrão. o caminho do arquivo vimrc esta em /etc/vim/vimrc.

Obs: dentro do vimrc os comentários são feitos com " aspas dupla.

 Esses são alguns dos comandos básico mais essencial para trabalhar com vim, você pode aprender mais consultando o manual digitando:

 $ man vim 



quarta-feira, 15 de março de 2017

Linux - Desligar o Sistema Corretamente



Assim como no Windows as distribuições Linux precisam ser desligadas de maneira adequada, isso parece algo óbvio e fácil de se fazer para qualquer nível de usuário, porém nem todos as máquinas são configuradas com interface gráfica, podemos usar como exemplo servidores que por questão de segurança e de otimização não são instalados com interface gráfica. 

Também pode acontecer da sua interface gráfica por algum motivo travar só lhe restando o terminal para desligar ou reiniciar seu computador. 

Portanto além da interface gráfica e possível usar o terminal para reiniciar ou desligar seu computador.

Para reiniciar - "reboot"
Sintax: reboot









Desligar -  "halt" 
Sintaxe: sudo halt 






Para desligar a máquina é preciso ter permissões de administrador ao utilizar o comando  "halt" ou "shutdown" como usuário comum será necessário acrescentar comando sudo.

Também utilizado para desligar - "shutdown -h now"

O "now" (agora) pode ser substituído por um tempo em minutos que o sistema deva espera para desligar ou o formato hh:mm para desligar em um determinado horário, o argumento para acrescentar os minutos é "+ minutos" ou "+hh:mm".

Sintax: shutdown -h +60  (desliga em 60 minutos)
ou
Sintax: shutdown -h +04:00 (desliga 4:00 da manhã)

O comando shutdown também ser utilizado para reiniciar o sistema basta utilizar a seguinte sintax;
suhtdown -r 10 "mensagem para usuários da máquina"










Para cancelar o reinício utilize o comando "shutdown -c"